CONTO de FODAS - Cinderela

Cindy morava com sua madrasta Margot. De todos os casamentos de seu pai, essa era de longe a pior mulher que ele conseguiu. O pai da garota falecera alguns meses após se mudarem para a casa de Margot. Margot ainda tinha duas filhas, Bernadete e Lilandra. Das garotas, Cinderela era sem dúvida nenhuma a mais bonita. Era um pouco difícil de perceber isso, já que Cindy estava sempre camuflada debaixo de roupas que em nada valorizavam o seu belíssimo corpo. Quando estava em casa quase sempre usava um jeans frouxo e sem costura, cortado acima do joelho, que escondia suas coxas lisas. Um top, não muito curto sustentava os seios arredondados que sumiam sob uma camiseta larga estampada com a foto de algum político. O motivo dessas roupas é que Cinderela era tratada como se fosse a empregada da família. Bernadete e Lilandra estavam sempre bem arrumadas - o que de nada servia, pois continuavam sendo feias. O dia de Cindy era completo - completo de faxina e arrumação. Ela sozinha tinha de arrumar a casa, lavar, passar e cozinhar. Fazia isso depois de encarar um emprego de meio expediente em una loja que alugava trajes de gala.
Certa feita, para a surpresa de Cinderela, sua madrasta acompanhada das filhas foi até a loja em que trabalhava para que elas pudessem alugar vestidos para a festa que aconteceria naquela mesma noite. O que surpreendeu Cindy não foi o fato delas terem ido à loja, já que aquela era a única na cidade, mas sim por não terem contado sobre a festa. Cinderela as atendeu como fazia com qualquer outro cliente que chegasse. Elas alugaram os melhores e mais caros vestidos que havia lá e foram embora. Antes de sair a madrasta de Cinderela disse-lhe que não demorasse a voltar para casa, pois esta se encontrava em péssimo estado. Cinderela ainda teve tempo de perguntar se poderia ir à festa também. Margot limitou-se a olhar o uniforme que a garota vestia e disse em um tom debochado - o que fazia sempre que falava com Cinderela - que ela certamente teria roupas adequadas para a ocasião.
Assim que terminou seu turno, Cindy fechou a loja e correu para casa. Na porta de entrada encontrou um bilhete que dizia: "fomos para o salão terminar de nos arrumar e de lá iremos para o Baile. Deixe tudo limpo". Quando ela entrou em casa, precisou esfregar os olhos para acreditar no que via. Sem dúvida nenhuma aquela não era a mesma casa que ela havia deixa antes de ir para o trabalho. PUTA DA VIDA. Essa era a palavra para defini-la naquele momento. Cindy juntou todas as roupas e coisas que estavam espalhadas pela casa e fez una grande pilha no centro da sala. Ela pegou sua bolsa e saiu. Poucos minutos depois estava de volta na loja. Cinderela sabia que não tinha dinheiro para alugar nenhum daqueles vestidos. O mais barato custava mais do que ela ganhava em um mês inteiro de trabalho. Não por isso. Cindy poderia muito bem pegar qualquer vestido e devolver sem que ninguém notasse. Pegou um vestido longo, azul, que ela não mostrara quando sua madrasta foi com as filhas até a loja. Da mesma forma que entrou, ela saiu, sem que a vissem. De volta em casa, não precisou de muita maquiagem para ficar mais bonita. Antes de sair de casa para a festa, apanhou una garrafa de álcool no armário da cozinha e una caixa de fósforos que estava sobre mesa, foi até a sala e derramou toda a garrafa de álcool na pilha de coisas que se amontoavam e encobriam a mesinha de centro. Pensou em una única frase enquanto acendia o fósforo "Filhas da puta, vão se fuder". Sem pensar em mais nada, atirou o fósforo na pilha que se transformou em una bola de fogo e lançando chamas que tocavam o teto e espalhavam fagulhas por todos os lados.
Ela ficou acompanhando o fogo consumir metade da casa antes de ligar para os bombeiros. Entrou em seu fusca laranja que mais parecia una abóbora e pegou a estrada para o baile.
Preferiu estacionar nos fundo. Cinderela pode ver Margot desesperada falando ao celular. Haviam ligado e informado que sua casa estava em chamas. Cindy aguardou elas saírem e só então entrou no baile.
Cinderela estava parada na varanda quando um homem alto, que trazia um paletó jogado no ombro e una gravata roxa com o nó desfeito, se aproximou dela para puxar conversa. Cinderela o fitou. Os olhos dela se detiveram no relógio de pulso dele e ela lembrou que era tarde e que teria de ir embora para devolver o vestido e para não parecer culpada no incêndio. Antes que Jorge abrisse a boca para dizer a primeira palavra, a jovem saiu correndo sem dar espaço para apresentações. O homem chamou por ela sem obter resposta. Enquanto ela corria para o carro, Jorge pode ver que ela deixou cair um pequeno cartão. Ele abaixou para pegá-lo e percebeu que se tratava de uma etiqueta - na pressa ela se esqueceu de retirar a etiqueta da loja. Ele viu o desenho de um pequeno sapato de vidro e as letras impressas com o nome da loja - Fádila Madrini.
Cinderela estava no trabalho pensando na noite anterior e o quanto ela tinha sido acusada por sua madrasta, porém os bombeiros chegaram à conclusão de que o fogo tinha começado por causa de um curto na tv da sala. Era o melhor que eles podiam dizer já que não havia sobrado muita coisa da casa. Cindy lembrava também de Jorge, sem nem mesmo saber o seu nome. Em meio aos pensamentos a porta da loja se abriu e o coração de Cindy parou por um segundo. De pé na entrada, estava Jorge com um pequeno cartão entre os dedos. Ela pensou em se esconder, porém era a única na loja. Finalmente eles puderam se apresentar e ela ficou sabendo que Jorge era o anfitrião da festa em que estivera e fugira em disparada. Jorge convidou Cindy para sair e ela aceitou.
Margot e as filhas tiveram que trabalhar na loja em que Cindy trabalhava, pois a pensão que Margot recebia do pai de Cindy já não era suficiente para elas e agora tinham que pagar o aluguel de una casa.
Pouco tempo depois Cindy foi morar com Jorge e se casaram. Margot e as filhas foram ao casamento. Elas não puderem ver muita coisa porque estavam ocupadas demais equilibrando bandejas e servindo os convidados.

Se carecer de final, eles viveram felizes para sempre.

Por Phillip M Elliot

33 comentários:

  1. Como posso descrever seu texto.... hãn...so com uma palavra vou resumi-lo, incrivel! Vc é melhor de que muitos escritos que conheço...Seu texto conta uma historia que todos conhecemos, mas como nunca vimos... Não perca seu tempo pra mais nada pq vc nasceu pra escreve... nunca deixe esse seu talento de lado. e escreva mais e mais pra que eu possa ler mais e mais...

    ResponderExcluir
  2. Bem Legal o Texto..
    Parabens pelo Blog..

    Viisite: http://inteligencia-digitalx6x.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkk
    mto engraçado!!!!!!
    vc escreve muito bem!!!!!!
    parabens
    tambem to te seguindo!!
    bjss

    ResponderExcluir
  4. Que criativo! HAHAHAHAA. Sua versão é a melhor.Deveriam apagar a atual e fazer a sua como oficial.Vou seguir. Abração.

    ResponderExcluir
  5. eu acho que nunca ri tanto na minha vida suhashuasuhas...mto, mto criativo, e mto bom...melhor do que as versões originais que contavam pra gente! ashuashuashuasuh

    ResponderExcluir
  6. bastante criativo o texto, essa versão ta atualíssima! Continue escrevendo.

    ResponderExcluir
  7. shuahsuahsuhsuahsuahsuhsauhsauhsauhsau
    lol
    first!
    mto bom teu blog , cara, vo seguir, se puder me segui tbm mano

    ResponderExcluir
  8. Puts legal! parabens ;*

    www.ylaviolet.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. É UMA DELICIA DE CONTO, UI QUE CALOR...

    ResponderExcluir
  10. Gostei da parte de tacar fogo... as vezes penso em fazer o mesmo com algumas pessoas que só me perturbam o juizo! rsrsrs
    Mas sério, gostei dessa versão.. principalmente do fusca abóbora ahahahaha

    ResponderExcluir
  11. aew filhote achei legal e interessante ao msm tempo, e o final foi show, as filhas das puta se fuderaam, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, vlw, manow!!

    ResponderExcluir
  12. hahahaha muito criativo primo ! ameei (:
    te amo (: beeijo juú

    ResponderExcluir
  13. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Vc se supera a cada conto... fico sempre esperando o próximo!! hauahuahaaua
    Muito bom, mesmo!
    Beijooo!

    ResponderExcluir
  14. muito criativo, reformulou a história infantil que todos nós conheciámos, parabéns!!

    ResponderExcluir
  15. muita criatividade, já havia lido os anteriores mas estou comentando pela primeira vez... Mto bom de vdd, parabéns!

    ResponderExcluir
  16. muuuuito criativo e engraçado, haha

    muito bom, realmente :D

    parabéns e sucesso,
    http://revistatudoteen.blogspot.com/
    http://tititiecia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Adorei a sua versão!
    eo fusca laranja foi o melhor!
    muiitoBom!

    Ctrl+D --> BlogNovo!
    http://controlmaisd.blogspot.com/
    SEU COMENTARIO VALE SUA PARTICIPAÇÃO NA
    PROMOÇÃO QUE DIVULGA SEU BLOG!
    COMENTE E PARTICIPE ;)

    ResponderExcluir
  18. Adorei o modo como vc descreu, muuuuito bom.

    (LL

    ResponderExcluir
  19. um história antiga com toques modernos. adorei a readaptação.

    ResponderExcluir
  20. hahahaha
    sou muito mais essa versão

    ResponderExcluir
  21. ow filhote
    curti teu blog
    oq vc axa de vc criar um banner, pra eu publicar no meu, e vc publica no teu blog o meu banner.
    oq axa?
    responda no meu 1° primeiro post

    ResponderExcluir
  22. O final foi meio apressado, mas eu gostei dos detalhes e da forma de como ele adapta a história à realidade; SIMPLISMENTE ADOREI, parabéns, cunhado.

    ResponderExcluir
  23. muito muito bom mesmo
    as releituras que vc fez desses
    contos de fadaas
    vc é um excelente escritor
    venho acompanhando todos
    e já estou tenso pelo
    próximo
    aguardo a publicação dos contos
    continue esse sucesso

    ResponderExcluir
  24. Só em contos de fadas existem finais felizes, né?

    E pior que na vida, vez ou outra, parece que vivemos assim.
    =)

    Beijos, Lipe.

    ResponderExcluir
  25. morro de rir com teus contos Filhote
    parabens pelo sucesso

    ResponderExcluir
  26. muito bom o texto! É vc que escreve?

    Putz, o melhor foi o final: A madrasta foi pra festa, como garçonete! Muito bom!

    O que vc é capaz de fazer pelo seu ídolo? você não imagina do que ELAS são capazes...
    http://sonhoparecedeverdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  27. A falta de plural ou de "m" é uma sátira, uma crítica
    quanto a valorização da gramática ou é simplesmente
    uma preguiça? Acho que as duas coisas... sdauhasd,
    enfim, gostei pra cacete, não sabia que você tinha um blog (nem arriscaria)! Li só esse conto e vi coisas antigas, tipo um poema
    de carnaval e posts seus sobre alguma coisa específica, achei tudo bem legal.
    Vou ler o resto, o lance do fusquinha foi genial, o do cartão também, hauahuaeh

    ResponderExcluir
  28. Gosta de Leminski?
    Ele me lembra vocês e vocês me lembram
    ele escrevendo, se nao conhecer, conheça *-*
    Acho que vai gostar!

    ResponderExcluir
  29. ..RS São bem interessantes suas versões.. você quem desenha também ?...

    ResponderExcluir
  30. Cara... eu acho que NUNCA vou saber o que dizer sobre esses seus textos.. hauehuaheuhaeae
    mas essa mania desse N é cansativa

    ResponderExcluir